Página Inicial
O Festival de Teatro de Guaçuí
A História do Festival
Papéis de parede e uma proteção de tela com fotos do Festival 2004 para você personalizar seu computador!
Veja aqui a programação do FESTGUAÇUÍ 2006
Fotos de espetáculos e notícias atualizadas do Grupo Gota, Pó e Poeira

Entre em contato com a produção do Festival

 

Cena de A Grande Estiagem, espetáculo dramático apresentado no FESTGUAÇUÍ 2004A cidade de Guaçuí, no sudoeste capixaba, foi sede no período de 09 a 16 de novembro de um dos maiores festivais de teatro do Espírito Santo, recebendo 19 grupos, sendo eles do estado anfitrião, do Rio de Janeiro e de São Paulo. Infelizmente os grupos da Bahia e da Paraíba não puderam estar apresentando as suas montagens por falta de patrocínio em seus estados.

A pequena cidade viu acontecer a realização de 20 espetáculos, entre comédias, monólogos, dramas e tragédias, com apresentações acontecendo no Teatro Municipal Fernando Torres, no espaço alternativo Salão dos Vicentinos e ainda nas ruas, uma das novidades deste V Festival. Até então, as edições anteriores vinham somente com as categorias Teatro Infantil e Teatro Adulto. Para conhecer e ver fotos dos espetáculos premiados, clique aqui!

Ao todo, foram cerca de 150 atores e técnicos que passaram pelo Festival, além de uma equipe de vinte pessoas, a maioria do Grupo Teatral "Gota, Pó e Poeira", que está à frente da realização do evento, desde a sua criação no ano 2000, logo após a inauguração do Teatro Municipal "Fernando Torres".

Cena de Milkshakespeare, comédia de rua apresentada no FESTGUAÇUÍ 2004A grandiosidade do festival mobilizou uma agitação constante dos artistas, que no período em que estiveram na cidade puderam freqüentar oficinas de "preparação corporal", com Fabiano Fernandes, e "Comédia Del'Arte", com William Rodrigues, e ainda assistirem aos espetáculos infantis sempre às 15h, os de rua às 16h 30m, os adultos às 20h 30m, e ainda terem fôlego para o debate após o último espetáculo.

Premiando praticamente a todas as categorias técnicas e artísticas de um espetáculo, o Festival ofereceu aos vencedores pelo júri oficial o Troféu Fernando Torres, criado pela artista plástica carioca Nilza Silva. Também houve a premiação pela Fundação Carla Augusta, apoiadora do evento, com um troféu criado pela artista guaçuiense Marly Freire.
O corpo de jurados deste ano, contou com as presenças de Ari Roaz - iluminador, ator e diretor, representando o Sated/ES; Marcelo Pereira - crítico teatral do Jornal "A Gazeta"; Fabiano Fernandes - ator e preparador corporal, do Rio de Janeiro; Erike Busoni - ator e iluminador do grupo "Folias Brasileira", de São Paulo; Gustavo Rubim - professor e crítico teatral, de Guaçuí; e Jonathas Faria Júnior - presidente da Fundação Carla Augusta.

AVALIAÇÃO

Cena de O Mágico dos Livros, espetáculo infantil apresentado no FESTGUAÇUÍ 2004O Festival de Teatro de Guaçuí chegou a um momento de reavaliação. Atingiu a um crescimento surpreendente, tanto pela quantidade de espetáculos apresentados neste ano, pelo nível das montagens e pela necessidade de uma ampla infra-estrutura. Além disso, sofre com o impacto de estar agendado para um período de feriado - 15 de novembro - e final de ano, quando há uma evasão do público e patrocinadores.

Por isso a equipe organizadora acredita que se neste ano com todos os problemas o festival tenha sido um sucesso, porque não procurar um novo formato e uma nova data? Uma das discussões está sendo a remuneração dos grupos. Ou o festival assume que não há meios de subsidiar a presença das montagens ou tentará buscar patrocínios para a sua participação com ajuda de custo. Essas questões estão sendo discutidas pelos organizadores, para que o festival continue acontecendo. Para se manter a par do período em que ocorrerá o próximo Festival de Teatro de Guaçuí, obter informações gerais e enviar sugestões e comentários, entre em contato com a coordenação clicando aqui!

Por outro lado, uma das marcas do festival será mantida. É o encontro de grupos e artistas para apresentação de suas linguagens, para troca de experiências, para adquirirem maiores conhecimentos e principalmente para debater "o seu fazer teatral". Os organizadores não objetivam lucro, ao contrário, dedicam seu tempo à realização do festival por acreditar na arte como transformadora da sociedade e sobretudo pelo amor ao teatro. Tudo o que fazem visam a ofertar o melhor de si para a apresentação das montagens, para que o grupo concorrente tenha a maior chance de premiação. Fazem com base no respeito ao trabalho apresentado e aos seus técnicos e atores.

Cena de O Caso Herzog, espetáculo dramático apresentado no FESTGUAÇUÍ 2004Com data prevista para o final de julho de 2005, o VI Festival deve manter as três categorias hoje existentes, mas diminuindo o número de espetáculos infantis; voltando à idéia inicial de três grupos de rua; e confirmando somente cinco para a categoria adulta. São propostas que a coordenação estuda, como a questão dos debates, porém avaliam como positivo o formato deste ano.

Sobre o período em discussão, quer associar o Festival à temporada de inverno, quando a cidade é divulgada pelas suas baixas temperatura e relevo de montanhas que atraem visitantes.

Para Carlos Ola, o festival precisa renovar para não morrer. É um período de transição. Tivemos cinco anos para experimentar, agora é preciso fortalecer as conquistas e descartar o que não funcionou. Porém, um fato é concludente: trabalharemos sempre com a seriedade e com o respeito que tornaram o Festival de Guaçuí uma marca registrada no calendário cultural de nosso Estado.

Clique para ir para o topo da página Clique para voltar para a página anterior

O FESTIVAL ::: HISTÓRICO ::: INSCRIÇÕES ::: PROGRAMAÇÃO ::: FALE CONOSCO ::: ADICIONE AO MENU FAVORITOS

© 2004 Festival de Teatro de Guaçuí. Todos os direitos reservados.
Criação e Desenvolvimento Fabricio Moraes Cunha